Kaos Klitoriano

setembro 20, 2010

Post muito atrasado, mas também muito especial. Sabe do que eu tô falando quem estava no círculo operário do cruzeiro no mês passado, quando o Kaos Klitoriano tocou novamente em um show depois de tantos anos sem dar o ar da graça em um palco. Foi uma celebração muito bonita que reacendeu uma chama roqueira feminista em várias mujeres aqui de bras-ilha. Todas cantando, dançando, pulando e feministrando HISTERICAMENTE. E que histeria bacana heim. Uma celebração massa do nosso direito de agitar nos shows sem ser perturbadas, de cantar bem alto e de ocupar um espaço que também é nosso.

Pra quem perdeu, alguns vídeos bem legais:

Aqui o myspace da banda: http://www.myspace.com/kaosklitoriano

E aqui, os sons da Kaos que foram lançados em um Split LP em 2000, junto com a banda Kólica, de São Paulo:

Stinky Toys

julho 18, 2010

Ia postar outra coisa aqui, mas mudei de idéia em cima da hora. Tudo por causa de um vídeo que eu revi esses dias no Last Days of Man on Earth. Tinha um tempão que eu não escutava a Stinky Toys, nem lembrava o tanto que esse som é divertido. É uma banda francesa punk/new wave, que começou em 1976 e acabou em 79. Eu acho que lançaram só dois discos. Elxs assinaram até com a polydor, mas dizem as más línguas que as críticas recebidas foram tão negativas que desistiram de lançar o disco fora da França.

Depois que a banda acabou, a Elli Medeiros e o Jacno formaram uma duplinha, a Elli et Jacno, com um sonzinho mais pop e eletrônico. Tem uns vídeos legais também da Stinky Toys  no youtube, esse mais no começo da banda:

E esse já de 79 (detalhe que ela não consegue ficar confortável nesse vestido, é um puxa-puxa que dá muita angústia):

Infelizmente eu não consegui encontrar aqui no pc o LP Stinky Toys, acho que perdi, quem tiver um link aí pode compartilhar né? mas aí vai o EPzinho maroto Boozy Creed, um retrato bem bacana do comecinho do punk rock na França.

Pega aqui ó

Brain Death

maio 31, 2010

Banda que eu conheci (que eu me lembre) pelo 7inchcrust há uns bons aninhos atrás. E na verdade nunca mais encontrei nada sobre elas, nem de informação nem de som. Acho mesmo que esse é o único lançamento, pela Selfish Records, de 1987. Se eu estiver errada por favor me corrijem jentem! Só o que eu sei é que se trata de um thrashcore muito rápido, e que a banda conta com mulheres que se vestem muito elegantemente:

O vocal é bem gritado (um dos meus preferidos de todas as coisas que a gente vem postando aqui), em um inglês tão tosco e rápido que é impossível tentar entender qualquer coisa, como é de praxe nessas bandas japonesas. O som lembra um pouco o heresy, o ripcord, e mais de perto o S.O.B., que tem alguma ligação oculta com a banda, a qual eu ainda não consegui descobrir. Na parte de trás do disco tem um agradecimento ao S.O.B. e aparentemente o disco foi produzido por um deles.

Um outro mistério pra mim, quase uma obsessão, tem a ver com a capa do disco Personal Affair. Será que a idéia é uma relação muito íntima e pessoal daquela mulher com a vaquinha? Se alguém tiver um palpite…

Baixa aqui!

The Organ

maio 19, 2010

Vou sair um pouco do comum e postar uma banda que não é de rock-pesado.  Acho que hoje isso deve ser jogado na sacola de “indie”, mas não desanimem! Esqueçam as bandas que lançam moda e forçam a barra na tendência vintage/retrô.

Grag That Gun (2004) é o nome do disco das canadenses do The Organ. Elas sabe o que fazem quando retomam aquele clima dark que só o post punk sabe dar com direito a teclado e tudo mais. A má notícia é que a banda teve uma vida curtinha, começando em 2001 até 2006, mas  esse espaço de tempo foi suficiente pra reanimar as apreciadoras de Cure, Smiths ou/e de Blondie.

Indico esse Ep (e dedico, por que não?) às pessoas que curtem “conversas com o Morrisey”, madrugadas e dançar com a parede. haha

The Organ – Grab that Gun

Ok, ok, então vou ter que estrear esta parte do blogue. Na verdade essa primeira postagem é uma colaboração do Poni, que vem espalhando a sua receita predileta ao mundo. Como não sou nenhuma mestra-cuca, acho difícil mexer com essas coisas de medidas/quantidades, e ele me mandou assim mesmo, então sugiro uma coisa chamada feeling pra quem for fazer essa receita. Também acho que colocar aqui coisas que não fiz e nem provei não é muito bacana, porque as receitas podem até estar mais bem explicadinhas, mas é  UMA PUTA FALTA DE SACANAGEM não testar antes e já ir passando a bola, sem saber se é bom, fácil ou dá certo. Comecemos então por uma receita que o que tem de simples tem de gostosa. Queria postar uma fotinha, mas o colaborador esqueceu de enviar. Então vou postar aqui a foto de uma lasanha de pvt qualquer, só pro post ficar mais bonito:

Lasanha de PVT com molho branco

Ingredientes:

– massa de lasanha sem ovos (de sêmola)

Ingredientes do molho vermelho/bolonhesa:

– azeite
– cebola
– alho
– tomate (usamos 1 tomate grande geralmente)
– molho de tomate
– proteína texturizada de soja (1 xícara mais ou menos)
– azeitona, champignon (opcional)
– manjericão e  pimenta do reino
– sal

Ingredientes do molho branco:
– azeite
– alho
– creme de soja (é o substituto do creme de leite)
– creme de cebola (a gente usa metade do saquinho nessa receita)
– noz moscada moída
– sal

Como fazer:

A Massa:

Em uma panela grande, colocar água com sal e óleo, quando estiver fervendo, acrescentar a massa aos poucos e deixar fervendo em fogo médio, até a massa ficar no ponto.

O molho vermelho/bolonhesa:
Hidratar a soja em água quente e escorrer bem. Refogar a cebola e o alho picadinhos no azeite. Acrescentar o tomate, a soja já bem escorrida e deixar um tempinho refogando pra perder o gosto amargo. Colocar o molho de tomate. Depois que ferveu um pouco, adicionar as azeitonas, os cogumelos, o manjericão, a pimenta e o sal a gosto.

O molho branco:
Preparar meio pacote de creme de cebola. As instruções vêm no verso da embalagem. Refogar o alho no azeite até dourar. Acrescentar uma caixa de creme de soja e o creme de cebola. Misturar tudo no fogo baixo. O creme de cebola é o segredo pra cortar o gosto de baunilha do creme de soja. A noz moscada é o segredo pra dar aquele gostinho de molho branco de lasanha. Colocar a noz moscada sal a gosto. Mexa até ficar uma consistência boa, mais líquida, porque seca bastante depois de ir para o forno.

Montando
Pré-aqueça o forno. Em um refratário médio, colocar um pouco do molho bolonhesa, depois uma camada de massa, depois uma camada de molho branco e ir alternando. O ideal é que última camada, de cima, seja de molho, para não secar e ficar bem molhadinha.

Assar em forno médio/alto por uns 25 minutos e voilá: Coma pra caramba!